Cracóvia Europa Polônia

Tudo sobre o Free Walking Tour Judeu em Cracóvia na Polônia

A cidade de Cracóvia na Polônia tem ligações profundas com a 2ª Guerra Mundial. A cidade foi invadida pelos nazistas e com eles começaram todas as destruições e o sofrimento da população. Cracóvia foi sede do partido nazista no Leste, abrigou um gueto onde muitos judeus sofreram, viveram em condições deploráveis e outros muitos morreram. Os judeus que não morreram ou foram assassinados durante a existência do gueto, foram transportados em 1943, para o Campo de Concentração de Auschwitz. Esse foi o maior campo de extermínio da era nazista, e fica a apenas 70 quilômetros de distância de Cracóvia.

Como gostamos de saber um pouco mais sobre história, da cidade, da população, história que foi relevante para o mundo, aproveitamos nossa estadia em Cracóvia, em março de 2017, para fazer o Free Walking Tour Judeu por Cracóvia. Acessamos o site oficial e escolhemos o horário que queríamos fazer o tour, escolhemos também fazê-lo em espanhol. No horário e ponto de encontro marcados, nós, a guia e mais alguns turistas começamos o tour. Foi muito bom e interessante, descobrimos novas histórias e pudemos ter uma ideia de como viveram os judeus em Cracóvia antes e durante a 2ª Guerra Mundial. Claro, que não conseguimos imaginar toda a crueldade que eles sofreram, mas para nós, saber um pouco mais da história deles é uma forma de não deixar que todo esse sofrimento tenha sido em vão. Então, veja como foi nosso Tour Judeu por Cracóvia.

Planeje sua viagem ⇒ site oficial

Leia também ⇒ 10 pontos turísticos imperdíveis em Cracóvia

 

Inicio do Tour judeu em Cracóvia

O ponto de encontro para o tour era em frente a antiga Sinagoga, que hoje é um museu. O guia chega um pouco antes do horário marcado.

Tour judeu em Cracóvia

O que mais gostei foram as explicações dadas durante o tour. Os pontos turísticos eu poderia ter achado em guias de turismo, mas algumas explicações são preciosas.

Começamos o tour pelo antigo bairro judeu de Cracóvia, que ainda guarda muito da cultura judaica. Esse bairro não tem relação com a 2ª Guerra Mundial, na verdade ele foi fundado por volta do ano 1335. Muitos judeus escolheram a Polônia para morar pois o país sempre foi muito tolerante em relação as religiões, e lá os judeus podiam seguir sua religião em paz.

Uma curiosidade que sempre quis saber, era o significado dessas pedras, que as pessoas colocam em túmulos e em monumentos em homenagem aos mortos. Se vê muitas pedras assim nos campos de concentração.

Tour judeu em Cracóvia

A Nossa guia explicou que as pedras têm uma relação com a história bíblica, de quando Moises conduziu o povo por 40 anos pelo deserto. Nesse tempo, pessoas morreram, e elas eram enterradas e colocadas pedras em cima do túmulo, para que fosse mais duradouro. Hoje encontram-se pedras nos túmulos dos cemitérios judeus, e em locais que homenageiam o povo judeu.

Vimos as Sinagogas da cidade e tivemos a sorte de poder entrar em uma.

Tour judeu em Cracóvia

Vimos também a casa onde nasceu Helena Rubinstein em 1871. A dona da famosa marca de cosméticos nasceu em Cracóvia.

Conhecemos o coração do bairro Kazimierz (o bairro judeu) onde se concentram muitos bares. Dizem serem os melhores de Cracóvia. Se quiser conhecer alguns bares em Cracóvia, veja nosso post: 4 bares para conhecer em Cracóvia

Depois de atravessar o rio Vístula, seguimos para a parte do tour relacionado a 2ª Guerra Mundial.

Leia também ⇒ Onde comer em Cracóvia

 

O gueto de Cracóvia

Antes da 2ª Guerra Mundial, os judeus viviam no bairro Kazimierz. Na segunda metade de 1940, já durante a guerra, foram obrigados a deixar suas casas e se mudar para o gueto, que ficava do outro lado do rio.

Para controlar a movimentação dos judeus, os nazistas obrigaram eles a construir um muro que cercava todo o território do gueto. Com um toque de crueldade, obrigaram os judeus a construir o muro em forma de lápide, para passar a mensagem de que aquele era o destino final de todos eles.

Cerca de 15 mil judeus passaram a viver numa área que anteriormente viviam 3 mil pessoas. Cerca de 4 a 5 famílias tinham que morar em um mesmo apartamento. Mas ainda assim, algumas famílias não tiveram essa “sorte”, e passaram a viver nas ruas do gueto.

A fome, pobreza e proliferação de doenças era grande.

Os judeus podiam sair do gueto apenas para trabalhar. Eles eram a mão-de-obra grátis dos alemães, trabalhavam o dia todo e como pagamento recebiam apenas 350 calorias de comida para passar o dia todo.

Em maio de 1942, começaram as deportações, onde a maioria dos trens iam direto para os campos de extermínio. Os primeiros selecionados foram os que não possuíam permissão especial para trabalho, além disso foram escolhidos os maiores de 55 anos, menores de 14 anos, pessoas doentes e grávidas. Esse primeiro transporte reuniu cerca de 7000 judeus e foi direto para Belzec, um campo de extermínio na Polônia.

Em outubro de 1942, teve um outro transporte com cerca de 4000 judeus, que seguiu também para Belzec.

Em 13 de março de 1943, o gueto de Cracóvia foi liquidado. Alguns judeus foram mandados para Auschwitz, outros para Belzec e outros morreram nas ruas do gueto, assassinados pelos nazistas.

Leia também ⇒ As melhores localizações para se hospedar em Cracóvia

 

Voltando para o tour

Enquanto a guia explica um pouco como foi a vida dos judeus em Cracóvia durante a 2ª Guerra Mundial, passamos pelos prédios originais que existiam no gueto e chegamos até a Plac Bohaterów Getta (Praça dos Heróis do Gueto). É nessa praça que se encontram 68 cadeiras que homenageiam os judeus que sofreram durante a guerra.

Era nessa praça, que antes se chamava Zgody, que os judeus eram reunidos antes de entraram nos transportes rumo aos campos de concentração.

No último transporte, que aconteceu em março de 1943, muitos judeus foram obrigados a deixar seus pertences ali mesmo na praça, e isso incluía seus moveis. Daí veio a inspiração dos arquitetos para esse monumento. Onde as cadeiras vazias, abandonadas, representam os inúmeros judeus que deixaram ali seus pertences e não puderam voltar para busca-los.

Tour judeu em Cracóvia

Seguindo ainda encontramos um pedaço original do muro do gueto de Cracóvia.

Tour judeu em Cracóvia

O tour encerra-se em frente ao Museu Oskar Schindler, onde a guia explicou um pouco sobre a história da lista de Schindler. A explicação é que a história contada no filme, A Lista de Schindler, não é totalmente verdade. Até onde se sabe, a lista não foi ditada pelo próprio Schindler, e sim escrita por 2 judeus, sendo um deles o secretário de Amon Göth, Comandante do Campo de trabalho forçado de Plaszow. Que ficava próximo a região.

Senti que ela quis deixar no ar a dúvida. Oskar Schindler quis mesmo salvar os judeus, ou se ele estava apenas se aproveitando da mão-de-obra grátis? Bom, para mim o que importa é que vidas foram salvas.

O tour durou cerca de 2 horas e 30 minutos. Ele é totalmente gratuito, mas se você gostar do tour, pode dar uma caixinha para a guia no final.

Para ajudar a planejar sua viagem ⇒ Quanto custa viajar para Cracóvia

 

Sobre o Free Walking Tour em Cracóvia

Estão disponíveis em inglês e alguns em espanhol. Para saber tudo sobre o free walking tour, acesse o site oficial.

É só escolher o tour que quer fazer e estar no ponto e encontro no dia e horário marcado.

Dica: O tour judeu durou 2 horas e 30 minutos, e caminhamos bastante. É interessante ir com um calçado confortável e levar água.

Super recomendo fazer o Free Walking Tour em Cracóvia!




Booking.com

Você pode gostar também

4 Comentários

  • Reply
    Felipe Pimenta
    27 de agosto de 2018 at 05:23

    Oi, Aline! Muito bacana seus relatos! Estou adorando. Quanto você costuma dar de caixinha para os guias de free walking tour?

    • Reply
      Aline Dota Naganawa
      27 de agosto de 2018 at 13:12

      Olá Felipe,
      Muito obrigada pela visita e que bom que está gostando!
      Quando gostamos do tour, damos cerca de 5 euros por pessoa 😉

  • Reply
    Crismalia
    28 de novembro de 2018 at 19:09

    Gostei muito do que postou…fui hoje visitar e realmente fiquei emocionada com tudo o que vi….

  • Deixe um comentário