Alemanha Europa

Dicas importantes de como dirigir no inverno na Europa

O inverno europeu é mais rigoroso se comparado aos países de clima tropical, como o Brasil. Portanto, é muito importante saber como dirigir no inverno na Europa.

Neste post, queremos dar apenas algumas dicas que acreditamos ser úteis aos que, por acaso, venham visitar a Europa no período de inverno. Principalmente, aos que nunca vivenciaram este tipo de clima e vão alugar um carro e, portanto, vão dirigir.

Minha maior experiência é na Alemanha, mas dirigir no inverno na Alemanha é até semelhante aos outros países europeus, portanto os cuidados de maneira geral são os mesmos.

Dependendo do local e época escolhidos, pode-se encontrar condições que requerem atenção num período que vai de outubro a abril.

Dirigir no inverno europeu e em especial, em condições com temperaturas próximas ou abaixo de zero, exigem alguns cuidados. Com ou sem neve. Alguns desses cuidados podem evitar situações de risco ou até acidentes. Mas, se tomadas as devidas cautelas, pode ser uma experiência única e prazerosa.

Como dirigir no inverno na Europa

No caso de dirigir no inverno, seguem algumas dicas:

– Certifique-se de que o veículo alugado esteja equipado com pneus de inverno* (“Winter Reifen”). Em alguns países europeus, como a Alemanha, o item é obrigatório no inverno. Na dúvida e em favor da segurança, pergunte na locadora escolhida e certifique-se, caso preciso, que o veículo esteja equipado com este tipo de pneu;

*pneus de inverno: os pneus de inverno tem um “desenho” próprio na banda de rodagem e um composto de borracha mais macio, que não enrijece tanto com as baixas temperaturas, garantindo melhor aderência nessas condições. Mas, mesmo com os pneus de inverno, em algumas condições, não é difícil sair deslizando pelas ruas lisas. Os pneus de inverno podem ser identificados com o logo e letras “M+S” que vem de “Mud+Snow”, em português lama e neve. Veja abaixo:

como dirigir no inverno na Europa

Foto: Autobild

– Verifique se o veículo tem no seu porta-luvas (ou porta-malas) um “raspador de gelo” (“Eisschaber”) de plástico ou borracha, para que você possa retirar o gelo ou neve dos vidros.  É muito comum no inverno, mesmo que não neve, que a geada da madrugada congele no para-brisa. É necessário que se retire para que se possa enxergar claramente e dirigir em segurança. Procure retirar a neve ou gelo de todos os vidros. Caso não tenha essa ferramenta, você pode facilmente perder uma meia hora com o desembaçador de ar quente no máximo, esperando que descongele;

como dirigir no inverno na Europa

Foto: Autohaus Brandt

– Uma dica que agiliza e muito a retirada da geada ou gelo dos vidros pelas manhãs geladas é um “spray descongelante” (“Scheiben Enteiser”), que faz com que a geada ou gelo derretam bem rapidamente dos vidros. Afinal, ninguém quer ficar ao ar livre um bom tempo raspando o gelo dos vidros numa manhã gelada a -5°C. Eu não creio que a locadora forneça esse spray, mas não custa pedir. Caso não forneçam, tente comprá-lo em algum mercado ou na conveniência de posto de combustível. Custa de 2 a 8 euros, dependendo do tamanho e marca, mas pode valer muito a pena.

spray para gelo

Foto: Sonax

– Com neve fofa e em temperaturas levemente acima de zero, provavelmente você não terá muita dificuldade em limpar os vidros. Se tiver só neve, bem provável que somente o limpador de para-brisa e com as mãos ou uma escova, você consegue retirar tudo facilmente;

– Se as ruas tiverem neve (“Schnee”), dirija com muita, muita cautela. As condições de aderência podem mudar a cada esquina. A neve “fresca” que é fofa, se não em muita quantidade não oferece tanto perigo. Mas a neve compactada, efeito de muitos carros passando em cima, pode se tornar extremamente lisa, como um gelo;

– Nas Autobahns e avenidas mais movimentadas, há sempre o trabalho constante dos profissionais (“Winterdienst”) que retiram a neve e jogam sal ou pequenas pedras nas ruas e calçadas, para que a neve derreta e não se acumule;

profissionais do inverno

Foto: Aachener Zeitung

– Muito cuidado nas ruas secundárias e menos movimentadas, pois o trabalho de retirada da neve é muito mais escasso ou até inexistente. Nessas ruas, normalmente em bairros mais afastados ou menores, você pode encontrar muita neve acumulada e gelo;

– A condição mais perigosa que devem se atentar é uma mudança climática onde o gelo pode se formar na superfície das ruas (“Glateis”). Esse gelo na superfície das ruas é praticamente invisível e muito liso e, portanto, muito perigoso. A condição para esse gelo se formar é em geral uma queda repentina da temperatura para abaixo de zero, logo após uma chuva ou neve leve. Nessa condição, cuidado redobrado e o tempo todo. Não subestime. Muito cuidado também ao andar a pé pelas ruas, pois o risco de um escorregão e um tombo é grande;

glateis

Foto: Der Spiegel

– Nas estradas européis e Autobahns alemãs, como a grande maioria dos motoristas respeitam as leis, as faixas da esquerda costumam ter mais neve e/ou gelo acumulado, sendo mais escorregadias. Portanto muito cuidado caso vá ultrapassar alguém;

– Mantenha distância segura (mais do que em pista seca, claro), mesmo porque a água que vem no para-brisa é “suja” e logo pode congelar, formando uma camada opaca e atrapalhando a visão. Isso vai força-lo a usar constantemente o lavador do para-brisa.

Algumas dicas de como dirigir:

– Caso o veículo não tenha faróis automáticos (farol baixo), lembre-se sempre de ligá-los, inclusive durante o dia e no claro;

– Dirija sempre de maneira suave e não faça manobras bruscas;

– Acelere moderadamente e freie suavemente, de maneira progressiva e antecipada;

– Pense sempre adiante, preveja e evite situações de risco;

– Freie antes de entrar nas curvas, ainda em trecho reto. Freiar no meio da curva pode fazer com que o carro patine e o carro siga pela tangente, não fazendo a curva;

– Entre nas curvas devagar e faça-as de maneira mais abertas do que o usual, para que tenha mais visibilidade à frente;

– Em algumas situações em que o veículo patine e não saia do lugar, como em ruas inclinadas, tente desligar o controle de tração (“Traction Control”, “DSTC”, “TRC”, etc – consulte o manual do veículo) para que as rodas patinem propositalmente. Dessa maneira, provavelmente você conseguirá sair do lugar;

– Como as ruas podem estar cobertas de neve, eventualmente você não verá as faixas e guias e terá que usar outras coisas como referência, como por exemplo: carros estacionados e os carros no sentido contrário.

Essas são algumas dicas que espero que possa ajudá-los caso precisem dirigir no inverno europeu.

Liguem o “Popo Heizung”, aproveitem e divirtam-se!

como dirigir no inverno na Europa

como dirigir no inverno na Europa

 

Lembre-se!! Se você quiser ajudar o blog, reserve seu hotel pelo Booking.com diretamente nos links aqui do blog. Dessa forma, receberemos uma pequena comissão e você não pagará nada a mais por isso.



Booking.com

Aproveite o desconto no seguro-viagem para a Europa!

O seguro-viagem é obrigatório em muitos países da Europa e leitores do blog tem desconto especial! Faça uma cotação na Seguros Promo. Use o cupom VIAJANTE e ganhe 10% de desconto em qualquer plano escolhido (promoção válida até 17.04.2019) . E tem mais coisa boa, escolhendo o pagamento no boleto, você ganha + 5% de desconto.

Seguros Promo

Você pode gostar também

8 Comentários

  • Reply
    Débora Resende
    20 de fevereiro de 2017 at 14:18

    Se andar na neve já é difícil, imagina dirigir? hahaha adorei as dicas, esses cuidados todos são muito importantes!

    • Reply
      Aline Dota Naganawa
      24 de fevereiro de 2017 at 17:52

      Tem que ter cuidado mesmo Débora, mas se fizer tudo certinho é tranquilo!! 🙂

  • Reply
    Rose Tefre
    23 de junho de 2018 at 11:58

    Adorei as dicas. Obrigada por dividir estas valiosas informações conosco. Abraço.

  • Reply
    William de Lara
    12 de novembro de 2018 at 14:07

    Boa tarde!
    Parabéns pelo post, muito bom e prestativo, show de bola!

    Bom eu e minha esposa vamos para Rep. Tcheca em Janeiro agora e faremos um roteiro de Praga > Pec Pod Snezkou > Brno. Para ir de Praga para Pec Pod é tranquilo, mas o retorno é chatinho, pois teoricamente deveríamos ir de Pec para Brno, mas é muita função, tanto de ônibus quanto de trem, ainda mais que nosso inglês é horrível e o tcheco nem se fala kkkkkkkkkkkkk.

    Sendo assim pra evitar fazer o trajeto de Pec Pod reeeetoornaaar para Praga e de lá pegar outro transporte para Brno, queríamos alugar um carro e fazer esse trajeto só de ira sem precisar retornar para a capital. Maaaaaaaas ai entra o medo, pois dirigir por lugares desconhecidos deve e ainda com pista congelada é um tanto quanto tenso rss.
    Será que vale a pena investir um pouco, ganhar umas horas sem ter que retornar pra capital e locar um carro, digo pelo custo benefício do tempo mesmo, pois financeiramente retornar para praga seria mais em conta, só que perderíamos um dia inteiro nessa brincadeira.

    E ai qual a opinião de vocês, nos ajudem rssss.

    Abraços!!!

    • Reply
      Aline Dota Naganawa
      22 de novembro de 2018 at 09:29

      Olá William, olha essa escolha depende mesmo de você. Por aqui, escolhemos o transporte baseados no preço e no tempo que teremos na cidade. Na República Tcheca por exemplo, escolhemos alugar um carro por alguns dias, pois, facilitaria muito nosso deslocamento. Se temos pouco tempo na cidade, escolhemos o transporte mais rápido e que nos possibilitará conhecer mais a cidade. Foi tranquilo dirigir na República Tcheca, mas fomos no início de outubro e ainda não havia neve.
      Obrigada pela visita! 🙂

  • Reply
    viviane
    25 de julho de 2019 at 12:16

    bom dia! vamos à Alemanha em fevereiro e queremos saber quais são as regiões menos frias (com menos neve, inclusive), que tenham cidades interessantes. Já estivemos 2 vezes na Alemanha e amamossss…dessa vez pensamos em algumas idéias :Hannover, Colonia, Potsdam, Hamburgo, Nremberb, Dresden…mas não conseguimos decidir pelo frio…para os lados de munique é mais ameno?

    • Reply
      Aline Dota Naganawa
      26 de julho de 2019 at 06:42

      Bom dia Viviane, te aconselho escolher cidades mais centrais do país, pois as localizadas nas extremidades (norte e sul), como Hamburgo e Munique, com certeza, são mais frias.

    Deixe um comentário